3 Lições Sobre Marketing Que Todo Advogado Deveria Colocar em Prática

Já está claro que o direito segue os fenômenos sociais e com o surgimento de novos direitos, surgem novos clientes.

É dizer também que com o passar do tempo os comportamentos mudam, isso demanda novas formas de lidar com clientes.

Portanto, nunca se tem como certa e resolvida a questão “como captar clientes na advocacia”.

Contudo, existem certas condutas, métodos e técnicas que, mesmo com o passar do tempo, ainda surtem ótimos efeitos.

Por isso as nomeamos de tradicionais, pode-se dizer que são premissas básicas para o advogado captar clientes.

A seguir passamos a abordá-las uma a uma.  

1. Proporcione uma Ótima Experiência ao seu Cliente

É comum o advogado deixar de se importar com o cliente assim que este assina o contrato e a procuração.

Sendo que quaisquer dúvidas, preocupações ou até mesmo pedidos de andamento por parte do cliente passam a ficar para depois.

Certos advogados podem se perguntar que diferença faz atender bem ou não um cliente cujo contrato já está fechado.

Acontece que um bom atendimento do início ao fim do processo é imprescindível para atrair novos clientes.

Pois, na advocacia, assim como em todos os outros negócios, uma das formas de ter novos clientes é a recomendação.

O boca a boca ainda existe e funciona. 

O fato de um cliente ter uma ótima experiência com seus serviços certamente fará com que ele recomende aos conhecidos.

Portanto, fique atento às demandas individuais dos seus clientes. 

Alguns querem explicações detalhadas do que acontece no processo. 

Outros irão pedir andamentos e lhe indagar se o processo andou todos os meses.

É importante estar pronto para lhes proporcionar o melhor atendimento possível. 

E isso pode ser feito com uma pesquisa de satisfação, por exemplo. É sempre bom perguntar no que pode melhorar. 

Como bem disse Bill Gates “seus clientes menos satisfeitos são sua maior fonte de aprendizado”.

Manter seu escritório de advocacia competitivo envolve tanto captar novos clientes como manter contentes os que já possui.

2. Crie uma Logo, um Cartão de visitas e uma Marca

Do que adianta proporcionar uma ótima experiência ao seu cliente e ser um bom profissional senão para consolidar uma marca?

Criar uma marca significa que quando as pessoas verem determinado símbolo e cores irão lembrar da sua imagem.

Portanto, é importante que leve em consideração na construção dos símbolos da sua marca as cores, pois estas falam.

As cores dizem muito e agem no imaginário coletivo das pessoas, ou seja, deve-se tomar muito cuidado.

Em razão disso, é importante que o advogado delimite seu público-alvo, de modo as cores agradarem aquele tipo de pessoa.

Caso seu público-alvo seja muito amplo ou ainda não esteja bem delimitado, dê preferências para cores neutras.

Já a dica para o estilo da escrita do Cartão de Visitas ou o emblema da logomarca é a sobriedade, sempre.

O advogado, apesar das mudanças proporcionadas pelos novos tempos, integra um mundo sério e é isso que deve transparecer.

O advogado deverá replicar seus símbolos em tudo que produz, desde seu Cartão de Visitas até nas suas peças jurídicas.

Pois, a logomarca construída passará a agregar todas as suas vitórias que você conquista enquanto profissional.

3. O Advogado deve fazer Networking da maneira Correta

A essa altura do campeonato todo o advogado sabe a importância do networking. Em verdade, todo profissional competitivo sabe.

Aqui nós reiteramos sua importância e aproveitamos para ressaltar um ponto essencial no mar de informações sobre esse assunto.

Quando o advogado se propor a fazer networking, ele deve compreender que não é o único. 

No início do tópico já anunciamos, é aquilo que “todo mundo sabe” e “todo mundo está fazendo”.

Por isso, se deve tomar muito cuidado para não cair naquela velha história de procurar certa pessoa só quando precisa.

Não se pode simplesmente ser utilitarista com todas suas relações sob o pretexto de estar realizando networking.

O próprio termo “net” está atrelado à “rede”. 

Ou seja, você procura pessoas para o networking, elas também te procurarão e aí está sua oportunidade. 

Ajude, esteja disponível, seja um “bom contato” até mesmo para seus colegas de profissão ou concorrentes.

Estar disponível para ajudar quer dizer que estarão disponíveis para lhe ajudar. 

Muitas vezes, nesse mundo competitivo, enxergamos a todos como concorrentes, o que é errado.

Uma maneira muito interessante de demonstrar como isso é danoso é a teoria do Equilíbrio de Nash, a qual superou a concepção de Adam Smith de que em uma competição, a ambição individual serve ao bem comum. 

A teoria de John Nash complementa o Pai da Economia com a compreensão de que “o melhor resultado é obtido quando todos no grupo fazem o que é melhor para si e para o grupo”. 

Em pequeno trecho do filme Uma Mente Brilhante é possível visualizar como o matemático formulou sua tese.

O Respeito ao Código de Ética da OAB é Fundamental

Respeitar o Código de Ética é essencial porque a boa fama do advogado começa entre seus pares e depois perante clientes.

É muito comum no imaginário popular a concepção de que a advocacia é uma profissão de pessoas “espertas”.

E isso deve ser mudado de dentro para fora. Integro e honesto é o mínimo que um advogado deve ser.

O Advogado deve ter ciência que uma representação perante o Conselho de Ética pode não repercutir apenas dentro da OAB.

Contudo, por certo que a maioria dos advogados não encontra grandes dificuldades em seguir o Código de Ética.

Inclusive, é possível dizer que a maioria das representações perante o Conselho de Ética diz respeito a uma violação específica.

A mercantilização da advocacia, propaganda indevida, captação irregular de clientes e por aí vai.

O maior problema enfrentado pelo advogado, no que diz respeito ao Código de Ética, é justamente a maneira como lidará com a captação de clientes.

Pois, como é notório, não pode realizar o marketing nos mesmos moldes que o de outras profissões.

E esse é um problema para todos os advogados, seja os recém formados, à procura de seus primeiros clientes, ou os que já estão estáveis na carreira querendo progredir e ter mais clientes.

Para agravar ainda mais a situação, os advogados lidam com um mercado extremamente competitivo e até mesmo saturado.

Diante dessa dificuldade alguns não veem outra alternativa senão os concursos ou outra profissão para complementar a renda.

Inclusive, há aqueles que já implementaram todas as técnicas e métodos tradicionais elencados neste texto e mesmo assim não aumentaram a captação em seu escritório de advocacia ao ponto que gostariam.

O que fazer quando já implementados todos os métodos tradicionais e mesmo assim os resultados não são tão satisfatórios?

Lidar com a problemática de trazer mais clientes para seu escritório de advocacia sem se utilizar de propagandas e anúncios é muito complicado.

Contudo, a vedação do Código de Ética não é total, o advogado pode sim realizar marketing para atrair clientes.

E é muito importante entender como utilizar ferramentas como Internet, blogs jurídicos e redes sociais para impulsionar sua captação de clientes sem ultrapassar o liame que separa o marketing permitido da mercantilização da advocacia.

Certamente, o marketing jurídico digital pode ser uma saída para o advogado que quer atrair mais clientes para seu escritório.